A importância da fotopolimerização das resinas compostas

Olá pessoal, hoje o tema abordado no blog será sobre a importância da fotopolimerização das resinas compostas. Você sabia que a fotoativação influencia em sua restauração? Muitas técnicas e novos sistemas de polimerização foram desenvolvidos e são utilizados na tentativa de diminuir alguns pontos desfavoráveis como problemas relacionados a contração de polimerização, sorção de água, manchamento, entre outros.

Os materiais resinosos possuem como principal composição, a matriz orgânica, carga inorgânica, agente de união e sistema acelerador-iniciador. A matriz orgânica é composta por monômeros e regulam a viscosidade do material restaurador. A carga inorgânica é formada por partículas, presentes em diferentes tamanhos, formas e quantidades, está diretamente ligada às propriedades finais do material. A principal classificação dos compósitos baseia-se no tamanho das partículas de carga e quantidade de partículas. O agente de união é uma molécula bifuncional, que une a carga inorgânica e a matriz orgânica. O sistema acelerador-iniciador envolve os componentes responsáveis pela reação de polimerização, se inicia quando o iniciador é estimulado pela luz de um comprimento de onda específico.

Há uma contração durante a polimerização à medida que os monômeros passam de um agregado de moléculas para um corpo rígido de cadeias poliméricas, como resultado, tensões são geradas na medida em que a resina composta alcança o ponto a partir do qual se “geleifica” e começa a endurecer. Essas tensões tendem a se concentrar na interface substrato/compósito, enfraquecendo assim, a união e criando fendas nas margens da restauração. Isso pode levar ao aparecimento de manchas, caries secundárias e outros problemas clínicos.

A incorporação das partículas de carga em uma matriz resinosa fortalece e melhora as propriedades do material, no reforço da matriz resinosa (resulta em aumento da dureza, resistência e na diminuição do desgaste), na redução da contração de polimerização (redução da expansão), na facilidade de trabalho (melhorada pelo aumento da viscosidade), assim, como a redução da sorção de água e manchamento.

A diminuição da intensidade de luz pode também variar de um tipo de resina composta para outra, dependendo da opacidade, do tamanho e concentração das partículas e da cor de pigmento. Resinas de cores mais escuras e /ou mais opacas necessitam de tempos de exposição mais longos. O grau de polimerização depende de vários fatores como: tipo e potência do aparelho fotopolimerizador, cor da resina, tempo de polimerização, intensidade da luz, profundidade da camada de resina composta que também pode ser afetada pela distância entre a ponta do fotopolimerizador e a restauração.

O fotopolimerizador é um dos aparelhos mais utilizados pelos cirurgiões-dentistas, assim, os profissionais devem ter absoluto conhecimento sobre o seu funcionamento. A aplicação de uma camada de bloqueador de oxigênio também é indicada para a fotopolimerização final das restaurações. Então a importância da fotoativação das resinas compostas está relacionada com a tentativa de diminuir problemas na contração de polimerização, sorção de água, manchamento, infiltração marginal, cárie secundária e a relação com o grau de conversão de monômero em polímero das resinas compostas.

Referências Bibliográficas:

SANTOS, L. A.; TURBINO, M. L; YOUSSEF, M. N.; MATSON, E. Microdureza de resina
composta: efeito de aparelhos e tempos de polimerização em diferentes profundidades.
Pesq Odont Bras, v. 14, n. 1, p. 65-70, jan./mar. 2000.
ANUSAVICE, Kenneth J. Phillips Materiais Dentários. 11.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.
p. 386-393.

Dra. Caroline Provesi

Dra. Caroline Provesi

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Quer sugerir um conteúdo?

Sugira um conteúdo que seja de seu interesse para que possamos postar no blog.

Envie-nos sua sugestão